De acordo com o Boletim de Fusões e Aquisições, publicado em setembro, pela Associação Brasileira dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima), as operações de fusões e aquisições no Brasil movimentaram R$ 84 bilhões entre janeiro e julho deste ano. O valor registrado é o maior desde 2010!

Em comparação com o volume registrado no mesmo período de 2017, houve um aumento de 54,8% nos valores envolvidos nas negociações, ainda que em número inferior de operações – no total, foram apenas 43 anúncios contra 70 do primeiro semestre de 2017, envolvendo aquisições de controle, incorporações e vendas de participações minoritárias.

Quando analisado o perfil dos negócios se destacam os relativos às empresas brasileiras, com total de R$ 58,6 bilhões movimentados, representando 69,7% do volume financeiro total no período. No entanto, as operações de aquisições de empresas brasileiras por estrangeiras representaram 22,8% do volume total, movimentando R$ 19,2 bilhões, sendo a Europa o continente que mais adquiriu empresas brasileiras, seguida pela América do Norte e Ásia.

Segundo o advogado Raphael Zaroni, sócio do Zaroni Advogados, o crescimento dessas operações no país é extremamente importante.  “O volume de fusões e aquisições vem crescendo exponencialmente nos últimos anos e a razão é a maior atratividade de investimentos estrangeiros. É importante registrar também o contexto de recuperação econômica do país, com menos restrições financeiras e mais acesso das companhias ao mercado de capitais. São estratégias que garantem mais eficiência e competitividade ao mercado e o crescimento do lucro dessas companhias, impulsionando a economia em escala mundial e revelando a importância desse cenário para o desenvolvimento do mercado financeiro nacional”, afirma.