A Medida Provisória 931, que permite que as assembleias gerais ordinárias de acionistas poderão ser adiadas em até sete meses após o fim dos exercícios sociais das companhias, foi editada no dia 31 de março. Assim, para a maioria das empresas, a data final para a realização dos conclaves será 31 de julho.
A MP 931 também prevê que, em companhias abertas e fechadas, o acionista poderá participar e votar a distância em assembleia geral, a depender de regulamentação pelos órgãos responsáveis. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) também poderá autorizar a realização de assembleia digital.
De acordo com a MP, os prazos de gestão ou de atuação dos administradores, dos membros do conselho fiscal e de comitês estatutários ficam prorrogados até a realização do conclave ou até que ocorra a reunião do conselho de administração. Além disso, o conselho de administração de empresas públicas ou de economia mista e suas subsidiárias poderá deliberar assuntos urgentes de competência da assembleia geral, que deverá ser ratificado por assembleia posteriormente (cláusula ad referendum).
Ainda segundo o documento, até que a assembleia geral ordinária seja realizada, o conselho de administração ou a diretoria poderão, independentemente de reforma do estatuto social, declarar dividendos.
Por fim, o a MP também permite que excepcionalmente durante o exercício de 2020, a CVM poderá prorrogar os prazos estabelecidos na lei 6.404. O regulador também poderá definir a data de apresentação das demonstrações financeiras das companhias abertas.