No último dia 20 de maio, o presidente Jair Bolsonaro afirmou  pretender apresentar um projeto de reforma tributária para o país após a aprovação da reforma da Previdência. Ele explicou que a reforma é necessária para viabilizar outros projetos para o país.

Segundo o presidente, “a Nova Previdência é a porta de entrada para o progresso do Brasil. É com sua aprovação que se viabilizam diversas outras ações econômicas benéficas para o país, como a Reforma Tributária, que pretendemos apresentar logo após, compreendendo ser este um desejo urgente dos brasileiros”.

O texto da reforma tributária (PEC 45/19) já em tramitação, institui o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS) que substitui três tributos federais – IPI, PIS e Cofins -, o ICMS, que é estadual, e o ISS, que é municipal. Todos eles incidem sobre o consumo. O IBS será composto por três alíquotas – federal, estadual e municipal. Além disso, a União, os estados e os municípios poderão fixar diferentes valores para a alíquota do imposto.